UOL Notícias Blogs
 

Blog

Cobertura política, eleitoral, pesquisas e notícias do poder

11h02 - 14/12/2011
 

Eleição de 2012 pode ter consultas sobre maconha, gays e aborto

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ricardo Lewandowski, disse que a população pode dizer o que pensa sobre temas polêmicos da sociedade na eleição de outubro de 2012 –além de votar para prefeito e vereador.

Ele falou sobre o assunto no programa “Poder e Política – Entrevista”, do UOL e da Folha.

Segundo Lewandowski, a consulta pode incluir assuntos como liberação da maconha, aborto de anencéfalos e união homoafetiva. “São questões relativamente simples, no que diz respeito à consulta. Podem ser respondidas com “sim” ou “não””, afirmou.

O TSE consegue incluir as perguntas na votação se o Congresso aprovar até março ou abril a realização da consulta, disse Lewandowski. “Em menos de seis meses nós preparamos o plebiscito no Pará. Claro que foi localizado. Mas acho que nós não teríamos maiores dificuldades, em seis meses prepararmos um plebiscito”.

Abaixo, trecho da entrevista em que o ministro fala sobre o tema. Para assisti-lo em tablets ou smart phones clique aqui.

 

 

Acesse também: playlist de vídeos com trechos e transcrição completa da entrevista do ministro Lewandowski ao “Poder e Política – Entrevista”.

 

O blog no Twitter.

Por Fernando Rodrigues
 

Lei no Brasil impede voto via internet

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ricardo Lewandowski, afirmou que o eleitor brasileiro deve votar em ambiente onde a “livre expressão de sua vontade política” seja garantida. Por isso, ainda não é possível realizar votações via internet, explicou.

Ele falou sobre o tema ao programa “Poder e Política – Entrevista”, do UOL e da Folha.

“Tecnicamente isso seria possível. Hoje nós fazemos transações bancárias de monta simplesmente digitando uma senha. O temor da Justiça Eleitoral e de todos aqueles que acompanham o processo eleitoral é justamente a coação dos eleitores”, disse Lewandowski.

“Quando alguém vai ao local de votação, está protegido pelas autoridades, pelo juiz eleitoral, pelos mesários, pela polícia e pelas forças de segurança do país”.

Abaixo, trecho da entrevista em que o ministro fala sobre o assunto. Para assistir ao vídeo em tablets ou smart phones clique aqui.

 

 

Acesse também: playlist de vídeos com trechos e transcrição completa da entrevista do ministro Lewandowski ao “Poder e Política – Entrevista”.

 

O blog no Twitter.

Por Fernando Rodrigues
 

Campanha eleitoral no Twitter está proibida antes de julho de 2012

A recomendação do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ricardo Lewandowski, a quem quer se candidatar a prefeito ou vereador em 2012 é “cautela” no uso de redes sociais como Twitter e Facebook. Segundo ele quem anunciar que é candidato antes do permitido (na 1ª semana de julho) pode ter negado o registro de candidatura.

O ministro falou sobre o assunto no programa “Poder e Política – Entrevista”, do UOL e da Folha. Abaixo, trecho da entrevista. Para assisti-lo em tablets ou smart phones clique aqui.

 

 

Acesse também: playlist de vídeos com trechos e transcrição completa da entrevista do ministro Lewandowski ao “Poder e Política – Entrevista”.

 

O blog no Twitter.

Por Fernando Rodrigues
 

Se PSD levar fundo partidário, levará tempo de TV, diz Lewandowski

A decisão que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tomar sobre a ampliação do acesso do PSD ao fundo partidário vai orientar também a decisão sobre o tempo de TV do partido. Essa é a avaliação do presidente do TSE, Ricardo Lewandowski.

Segundo ele, a “grande questão” é saber se o político que deixou um partido para entrar no recém-fundado PSD “perde completamente as vantagens e os direitos que ele tinha ou se ele leva para o novo partido esses direitos que já possuía”. O ministro falou sobre o assunto no programa “Poder e Política – Entrevista”, do UOL e da Folha.

O PSD foi fundado em 2011 pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. Tem acesso só à parcela mínima de dinheiro do fundo e do tempo de TV –a mesma recebida por todos os 29 partidos do país. Para conseguir mais que isso, a sigla precisa eleger deputados federais. O PSD não existia na última eleição para deputados, em 2010. Por isso ficou com a cota mínima.

Antes de tomar a decisão, o TSE vai ouvir todos os partidos que perderiam dinheiro do fundo partidário se o PSD tiver sucesso na ação que move na Justiça.

Abaixo, trecho da entrevista em que o ministro Lewandowski fala sobre o tema. Para assisti-lo em tablets ou smart phones clique aqui.

 

 

Acesse também: playlist de vídeos com trechos e transcrição completa da entrevista do ministro Lewandowski ao “Poder e Política – Entrevista”.

 

O blog no Twitter.

Por Fernando Rodrigues
 

"Aprovação de ministros para o STF poderia incluir audiência pública"

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, acha que o sistema de nomeação para ministros do Supremo poderia ser aperfeiçoado. Para ele, antes de sabatinar o indicado para uma vaga no tribunal, os senadores poderiam fazer audiências públicas para ouvir especialistas e entidades. Isso serviria, segundo ele para “subsidiar” os senadores durante a sabatina.

O ministro falou sobre o assunto no programa “Poder e Política – Entrevista”, do UOL e da Folha.
 
“Nós temos um sistema que vigora desde 1891. Desde a primeira Constituição republicana. Então é um sistema que tem se provado correto”, disse o ministro. “Agora, talvez, o Senado pudesse estabelecer algum sistema de, digamos assim, de audiências públicas, de prévias, para... Pode ser aperfeiçoado”, poderou.
 
Abaixo, trecho da entrevista em que o ministro Lewandowski fala sobre o tema. Para assistir ao vídeo em tablets ou smart phones clique aqui.

 

 

Acesse também: playlist de vídeos com trechos e transcrição completa da entrevista do ministro Lewandowski ao “Poder e Política – Entrevista”.

 

O blog no Twitter.

Por Fernando Rodrigues
 

Jader pode conseguir decisão favorável no recesso da Justiça

Para o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), Jader Barbalho (PMDB-PA) assumirá “mais cedo ou mais tarde” o cargo de senador. O político foi beneficiado pela decisão do tribunal que vetou a aplicação da Lei da Ficha Limpa para as eleições de 2010 mas ainda não assumiu a vaga para a qual foi eleito.

Lewandowski falou sobre o assunto no programa “Poder e Política – Entrevista”, do UOL e da Folha. Disse que se o advogado de Jader usasse outro tipo de recurso, o político poderia já ter obtido uma decisão favorável.

“A questão é procedimental. Agora vem o recesso e a ministra [Rosa Maria Weber] deve assumir [sua vaga no STF]. Eu acredito que mesmo no recesso uma medida cautelar poderia eventualmente ser intentada e seria, eventualmente, tomada pelo presidente da corte”.

Abaixo, trecho da entrevista em que o ministro Lewandowski fala sobre o tema. Para assistir ao vídeo em tablets ou smart phones clique aqui.

 

 

Acesse também: playlist de vídeos com trechos e transcrição completa da entrevista do ministro Lewandowski ao “Poder e Política – Entrevista”.

 

O blog no Twitter.

Por Fernando Rodrigues
06h59 - 13/12/2011
 

“Nunca fui a porra de mensalão nenhum”, diz Duda Mendonça

“Na pior das hipóteses me pagaram por fora. Vou dizer o quê? É muita hipocrisia”

Em entrevista, publicitário diz não ser político e reclama por responder a processo no STF.

Publicitário da campanha de Lula à Presidência da República em 2002, Duda Mendonça falou sobre sua carreira à revista “Campaigns & Elections”. Hoje ele é réu no processo do mensalão no STF, acusado de lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Na entrevista, Duda diz que antes da eleição de 2002 tinha desenvolvido o “desejo de fazer uma campanha de um grande presidente”. Sem citar o mensalão, ele ressalva: “Não queria que desse merda”.

Mais adiante, o publicitário entra explicitamente no tema: “Na pior das hipóteses me pagaram por fora. Vou dizer o quê? ‘Não recebo.’ Quem paga meu pessoal? É muita hipocrisia”,  diz, negando participação em caixa 2 do PT. “Porque eu estou no foro privilegiado do STF se não sou político? Não me meti com dinheiro público”, contesta o publicitário.

Fundada em 1980 nos EUA, a “Campaigns & Elections” estreia sua versão brasileira neste mês de dezembro. É voltada para políticos e gente que trabalha na área. No Brasil, o publisher é Bruno Hoffmann. Aqui, íntegra do nº 1 da revista com a entrevista de Duda Mendonça.

Abaixo, a reprodução da capa da 1ª edição da “C&E”:

 

 

A publicação apresenta também entrevistas com João Santana –publicitário de Lula em 2006 e de Dilma em 2010– e com Luiz Gonzalez –de Alckmin em 2006 e de Serra em 2010.

Gonzalez nada relata sobre sua última campanha presidencial. Santana também é econômico nas respostas, mas diz ter sido sondado para fazer uma campanha eleitoral na Líbia.

Outros textos da revista têm o objetivo de propor uma reflexão para quem quer ser candidato ou trabalhar em campanhas eleitorais. Tratam, por exemplo, da relação entre agenda política e midiática e sobre a influência da internet na campanha. Os anúncios são de empresas que podem trabalhar para políticos, como consultorias de comunicação ou de estatísticas e até mesmo uma empresa que se propõe a fazer uma campanha ecológica.

Post Scriptum: o sempre alerta repórter Marcelo Soares manda uma lembrança, bem a propósito. Trata-se de um trecho do depoimento de Duda à CPI que apurou o mensalão, em 2005. Naquela época, Duda não estava muito com vontade de contar tudo:

 

 

"SR. RELATOR DEPUTADO OSMAR SERRAGLIO (PMDB-PR):

Nos levantamentos que nós procedemos das origens e das saídas dos recursos enquanto dados obtidos através da quebra do sigilo bancário nós percebemos uma evolução financeira na sua movimentação financeira muito acentuada entre os anos 2003 e 2004. Passou de, na verdade, antes vinha numa progressão sem muita diferença que chamasse a atenção, porque em 2000 foram catorze milhões, 2001, dezenove, 2002, vinte e sete, agora 2003, cinquenta e seis milhões, 2004, trezentos e cinquenta e dois milhões. V.Sª. poderia dar alguma informação enquanto movimentação financeira das suas empresas, esse salto entre 2003, de cinquenta e seis para trezentos e cinquenta e dois milhões de reais?

 

"SR. JOSÉ EDUARDO CAVALCANTI DE MENDONÇA: É...

 

"SR. RELATOR DEPUTADO OSMAR SERRAGLIO (PMDB-PR): Teria alguma explicação a isso?

 

"SR. JOSÉ EDUARDO CAVALCANTI DE MENDONÇA: Teria muitas explicações, Senador. Mas infelizmente, eu vou seguir o compromisso até o final. Isso para mim é uma tortura, porque eu gostaria de falar, tenho o que falar e gostaria de falar muito, mas infelizmente eu assumi um compromisso com meu Advogado de que essa é a melhor forma de não prejudicar a minha defesa. E vou tentar. Eu sinceramente espero que os Senhores compreendam um pouco a difícil situação que eu me encontro. Eu repito que eu vim a primeira vez, não deixei uma pergunta sem resposta. E vai ter um momento novo na Justiça para eu voltar a esclarecer tudo isso. Mas nesse momento —E não vejam nisso nenhum desrespeito, vejam nisso uma dificuldade, no meu temperamento eu tenho argumentos e tenho fatos para responder qualquer pergunta, mas até três da manhã eu assumi o compromisso, ele está aqui a me futucar e a me dizer não vai responder. Então eu não vou responder.

O blog no Twitter.

Por Fernando Rodrigues
07h41 - 12/12/2011
 

Poder e política na semana – 12 a 18.dez.2011

A política começa com a repercussão da rejeição da divisão do Estado do Pará; com os reflexos da pesquisa Datafolha sobre a sucessão na Prefeitura de São Paulo (os tucanos e o PT estão péssimos); com a reação de ministros que continuam enrolados e com o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, cada vez mais encrencado.

O quase ex-ministro das Cidades, Mário Negromonte (PP), deve falar na Câmara mais uma vez na 4ª (14.dez.2011). O titular do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel (PT), continua como protagonista de reportagens sobre suas atividades como consultor do setor privado. Na 3ª, comissão do Senado vota requerimento para convocá-lo.

O governador Agnelo Queiroz deve explicações sobre o acúmulo de patrimônio de seus parentes, como mostrou a “IstoÉ” do fim de semana. Não importa o governador, não importa o partido: Brasília segue sua saga de cidade dos escândalos.

Nesta 2ª feira (12.dez.2011), o ex-presidente Lula começa 3ª sessão de quimioterapia, parte do tratamento contra o câncer na laringe. Fará também um exame detalhado para saber se já houve recuo do tumor.

A presidente Dilma Rousseff começa a 2ª feira com sua tradicional reunião de coordenação. Na 3ª feira (13.dez.2011), deve assinar decreto que regulamenta o programa Ciência Sem Fronteiras.

Na 4ª (14.dez.2011), Dilma faz 64 anos –um dia antes do aniversário de 104 anos de Oscar Niemeyer. Pretende comemorar em Porto Alegre, com a família. Na 5ª feira (15.dez.2011) a presidente encontra-se com Michelle Bachelet em Brasília. Nessa mesma data, o jornalista Ricardo Amaral lança livro sobre a presidente.

No Congresso, com a proximidade do recesso, uma reunião foi marcada para 2ª à noite para votação de questões referentes ao Orçamento 2012.

Na 3ª feira, o Senado vota a indicação de Rosa Maria Weber para ministra do STF. A posse no Supremo deve ficar para 2012. Aliás, o Judiciário (tribunais superiores) termina o ano no dia 19, a 2ª feira que vem –e os juízes só voltam ao trabalho em fevereiro.

Na Câmara, o principal tema é o projeto de lei 1.992/2007 que cria o Funpresp –Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos Federais.

O Código Florestal continua pendente no Congresso. Foi aprovado pela Câmara e pelo Senado, mas passou por modificações e deve voltar para a Câmara. Segundo o presidente da Casa, Marco Maia (PT-RS), a votação deve ocorrer em 2012.

Outra pendência da Câmara é a Lei Geral da Copa. Está na pauta desta 3ª feira da Comissão Especial das Copas do Mundo e das Confederações.

Na 6ª feira (16.dez.2011), o Senado inicia discussões para votação em 2ª turno da prorrogação da Desvinculação das Receitas da União até 2015. Votação deve ocorrer em 20.dez.2011.

A seguir, o drive político da semana:


Segunda (12.dez. 2011)
Dilma e desmatadores – Diário Oficial deve publicar decreto presidencial que suspende multas aplicadas a quem é considerado desmatador pela atual lei ambiental. O novo Código Florestal, aprovado pelo Senado, precisa ser discutido pela Câmara novamente.

Dilma e ministros – às 10h, presidente faz reunião de coordenação no Palácio do Planalto. Às 15h, recebe o ministro Wagner Bittencourt (Aviação Civil).

Lula no hospital – ex-presidente começa 3ª sessão de quimioterapia, parte do tratamento contra o câncer na laringe.

Orçamento na hora extra – congressistas tentam apressar a votação do Orçamento 2012 fazendo reunião às 19h, algo incomum numa 2ª feira. Na Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização devem votar relatórios setoriais.

Política dos EUA – visita Brasília a subsecretária para assuntos políticos do Departamento de Estado americano, Wendy Sherman.

Alckmin na Associação Comercial de SP – governador de São Paulo dá palestra sobre a administração do Estado, às 10h.

Agnelo e “despachos internos” – governador do Distrito Federal, do PT, concentra-se nesses despachos das 9h às 19h. Desde que assumiu o cargo, é comum ele não divulgar seus compromissos. Agora, sob suspeita de corrupção, mantém a mesma atitude.

Peluso e o Código Civil – presidente do STF entrega sugestões para a reforma do Código de Processo Civil ao relator do projeto de lei sobre o tema que tramita na Câmara, Sérgio Barradas Carneiro (PT-BA).

Cabral e setor imobiliário – às 19h, governador do Rio vai à entrega do Prêmio Master Imobiliário 2011 para empresas e profissionais do setor. No Hotel Royal Tulip Rio de Janeiro.

Mantega em São Paulo – ministro da Fazenda tem “reuniões internas” no Banco do Brasil.

Ana de Hollanda – ministra da Cultura faz evento, em Brasília, para divulgar metas do Plano Nacional de Cultura e diretrizes do Sistema Nacional de Informação e Indicadores Culturais.

Patriota na Índia – ministro das Relações Exteriores vai à reunião da Comissão Mista de Cooperação Política, Econômica, Científica, Tecnológica e Cultural Brasil-Índia, em Nova Delhi.

Fasano no “Roda Viva” – TV Cultura exibe ao vivo entrevista com o empresário dos restaurantes e hotéis de luxo. A partir das 22h.

Inflação – FGV divulga IPC-C1.


Terça (13.dez.2011)
Dilma e a ciência – assina decreto que regulamenta o programa Ciência Sem Fronteiras. Também deve lançar editais para concessão de bolsas de estudo no exterior.

Pimentel no Senado – Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle vota requerimento de Álvaro Dias (PSDB-PR) para convocação do ministro, suspeito de tráfico de influência.

Ministra do STF – Senado deve realizar votação sobre a indicação de Rosa Maria Weber para o Supremo Tribunal Federal.

Votações na Câmarapauta das sessões ordinárias está trancada por 6 Medidas Provisórias. Os principais temas da semana são o Projeto de Lei 1992/07 –cria fundo de previdência complementar para os servidores civis federais– e a Proposta de Emenda à Constituição 445/09 –transfere da União para o Distrito Federal a responsabilidade de manter a Defensoria Pública do DF.

Código Florestal na Câmara – Comissão de Agricultura debate as diferenças entre os projetos aprovados na Câmara e no Senado. O presidente da Casa, Marco Maia (PT-RS), disse que a votação do código deve ocorrer só em 2012.

Lei da Copa na Câmara – outra pendência da Casa, está na pauta da Comissão Especial das Copas do Mundo e das Confederações. Pontos polêmicos: preços dos ingressos e venda de cerveja nos estádios.

Irregularidades no Minhas Casa, Minha Vida – é o tema da reunião da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, que também deve falar sobre a compra do Panamericano pela Caixa Econômica Federal. Começa às 15h

Cardozo, Amorim e as armas – às 10h, ministros da Justiça e da Defesa falam sobre armas e munições em audiência da Comissão de Segurança Pública da Câmara.

Reunião do PP – partido discute sua participação nas eleições municipais de 2012.

Eleição no PTB – partido elege novo líder na Câmara. Silvio Costa (PTB-PE) pode tentar derrubar o atual líder, Jovair Arantes (PTB-GO).

Músicos no Congresso – pedirão aprovação da PEC da Música (PEC 98/07) com manifestação dentro da Câmara. Começa às 15h30. Entre os confirmados: Fagner, Chico César, Sandra de Sá, Leoni e Digão (dos Raimundos).

Fim de ano na Fiesp – Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Ciesp, dá coletiva de imprensa às 11h.

Comércio – IBGE divulga pesquisa mensal sobre o setor.

Indústria – FGV divulga sondagem sobre o setor.


Quarta (14.dez.2011)
Dilma em Porto Alegre – presidente da República comemora seu aniversário de 64 anos com a filha, Paula, e o ex-marido, Carlos Araújo.

Escândalo do Ministério das Cidades – ministro Mário Negromonte (PP) vai à Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara falar sobre as acusações que tem recebido. Às 15h.

Pimentel e Patriota na Suíça – ministros da Indústria e Comércio Exterior e das Relações Internacionais participam da 8ª Conferência Ministerial da Organização Mundial de Comércio e de eventos e reuniões paralelas.

PSOL x PT – na pauta do STF ação do PSOL que visa manter no Senado Marinor Brito, do Pará. Ela ficou em 4º lugar na eleição, mas obteve a vaga de Jader Barbalho (PMDB) porque o 3º, Paulo Rocha (PT), também foi barrado pela Ficha Limpa.

Competência do CNJ – ainda na pauta do STF a ação da AMB que pede redução do poder de investigação do Conselho Nacional de Justiça.

Brics em Genebra – grupo faz “reunião ministerial” na Suíça. Está na agenda do Itamaraty.

TAM no Cade – Conselho Administrativo de Defesa Econômica julga união de TAM e LAN, que cria a Latam, maior companhia aérea da América Latina.

Política econômica – reunião da Comissão da Moeda e do Crédito (Comoc).

Desemprego – CNI divulga Índice de Medo do Desemprego.


Quinta (15.dez.2011)

Dilma nas livrarias – lançamento do livro “A vida quer é coragem”, do jornalista Ricardo Amaral. É uma biografia da presidente. Aqui, post do Blog sobre a obra.

Dilma e Michelle Bachelet – presidente brasileira encontra-se com ex-presidente do Chile em Brasília por conta da Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres. Bachelet agora é diretora da ONU Mulheres.

Aniversário de Niemeyer – arquiteto completa 104 anos.

Tombini na Câmara – presidente do Banco Central vai a audiência da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização, às 10h.

DEM na TV – partido que mais perdeu filiados de 2010 a 2011 tem 10 minutos contínuos em rede nacional pagos com dinheiro público. Das 20h às 20h10 no rádio. Das 20h30 às 20h40 na TV.

PR na TV – partido do escândalo no Ministério dos Transportes tem 5 minutos em rede nacional divididos em inserções de 30 segundos ou 1 minuto.

Prêmio no STF – às 11h, no Hall dos Bustos do STF, ocorre entrega do 8º Prêmio Innovare, dedicado a magistrados, integrantes do Ministério Público estadual e federal, defensores públicos e advogados públicos e privados. Os temas do ano são “Justiça e Inclusão Social” e “Combate ao Crime Organizado”.

Gilmar Mendes nas livrarias – ministro do STF lança “Estado de Direito e Jurisdição Constitucional 2001-2010” na Associação dos Advogados de São Paulo (AASP) às 19h.

Política econômica – reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN).

Serviços – FGV divulga sondagem sobre o setor.

Inflação – FGV divulga IGP-10.


Sexta (16.dez.2011)
DRU no Senado
– Casa inicia discussões para votação em 2ª turno da prorrogação da Desvinculação das Receitas da União até 2015. Votação deve ocorrer em 20.dez.2011.

iPhone no Brasil – Apple começa a vender em seu próprio site aparelhos desbloqueados. Compradores não precisam mais ficar presos às operadoras.

Indústria –  CNI divulga sondagens sobre setor industrial e indústria da Construção. Também publica Índice de Confiança do Empresário Industrial.

Inflação – FGV divulga IPC-S.


Sábado (17.dez.2011)
PMDB em São Paulo – partido escolhe direção estadual.

PR na TV – partido do escândalo no Ministério dos Transportes tem 5 minutos em rede nacional divididos em inserções de 30 segundos ou 1 minuto.

 

O blog no Twitter.

Por Fernando Rodrigues
Perfil

Fernando Rodrigues, jornalista, nasceu em 1963. Fez mestrado em jornalismo internacional na City University, em Londres, Reino Unido (1986).

Na Folha desde 1987, foi repórter, editor de Economia, correspondente em Nova York (1988), Tóquio (1990) e Washington (1990-91). Na Sucursal de Brasília da Folha desde 1996, assina a coluna "Brasília", na página 2 do jornal, às quartas e sábados.

Mantém uma página de política no UOL desde o ano 2000 - com informações estatísticas e analíticas sobre eleições, pesquisas de opinião e partidos políticos. Em 2007/08 recebeu uma fellowship da Fundação Nieman, na Universidade Harvard (Cambridge, MA, nos Estados Unidos).

Regras de uso

Busca
Neste blog Na Web

Histórico